Blog

Sopa de letrinhas: por que você deve conhecer o IBC-BR

Você certamente já se deparou como IGP-M, INPC, PIB ao tentar entender a economia brasileira e é natural que tenha sentido um pouco de dificuldade para compreender o significado delas imediatamente. Por isso, o Blog Ourinvest conta com a seção ‘Sopa de Letrinhas’ para te ajudar a entendera importância prática desses indicadores no dia a dia.

Hoje, vamos falar sobre o IBC-BR. O Índice de Atividade Econômica do Banco Central serve para medir o nível de atividade econômica do País. Ou seja, é um termômetro da nossa economia.

“Esse indicador incorpora na sua composição algumas variáveis importantes para medir o desempenho de setores fundamentais da economia nacional, como produção industrial e vendas do varejo, por exemplo”, explica Cristiane Quartaroli, economista e estrategista de Câmbio do Banco Ourinvest.

O IBC-BR é divulgado mensalmente pelo Banco Central e acaba sendo usado como proxy do PIB (Produto Interno Bruto). “Ou seja, ele dá uma sinalização de qual será a evolução do PIB, que é divulgado todo trimestre”, explica a economista.

Ela defende que a frequência maior de divulgação do IBC-BR permite avaliar a evolução da economia mais de perto. “Em tempos de extrema volatilidade é um indicador muito importante para acompanhar o desempenho econômico”, diz.

“Por isso, o indicador acaba sendo relevante para decisões de política monetária realizadas pelo Banco Central, como a de aumentar ou não a taxa básica de juros e é uma das tantas variáveis analisadas nas reuniões do Copom (Comitê de Política Monetária)”, afirma Cristiane.

Publicado desde 2003, o IBC-BR se tornou de âmbito nacional quase uma década depois. Antes disso, era divulgado de forma separada, de acordo com a região e o estado.

PIB x IBC-BR

Algumas pessoas chegam a confundir esses dois indicadores, mas é importante ressaltar que são conceitos, frequências de cálculos e metodologias diferentes.

Em suma, o IBC-BR é uma prévia do PIB. No entanto, o indicador apenas sinaliza uma tendência de resultado e algumas vezes diverge do PIB.

Enquanto o IBC-BR é divulgado pelo Banco Central todos os meses e avalia apenas os bens e os serviços do lado da oferta, produzidos no Brasil, o PIB é contabilizado pelo IBGE e divulgado trimestralmente considerando a demanda, o consumo das famílias e do governo.

“Os dois indicadores são imprescindíveis para acompanhar a evolução da economia brasileira. Apesar das trajetórias similares, cada um tem sua importância no mercado e deve ser acompanhado de perto”, finaliza Cristiane.

Agora que você já sabe mais sobreo IBC-BR, que tal conhecer outras siglas na nossa seção ‘Sopa de letrinhas’?

No items found.

Siga o Banco Ourinvest

Logo LinkedinLogo FacebookLogo InstagramLogo TwitterLogo YoutubeLogo Spotify

Conteúdos relacionados

22/9/21

Blog

Fim da pandemia e hedge cambial: qual a relação entre as duas frentes?

Ao que tudo indica, a pandemia do coronavírus caminha para um controle sanitário no Brasil. Ainda que as medidas de proteção sejam essenc...

Leia mais

15/9/21

Blog

5 coisas que você deve saber sobre o IBAN

Ao tentar realizar transações internacionais é natural que você se depare com inúmeras siglas, que podem dar a impressão equivocada de qu...

Leia mais

Categorias

Nossa equipe de economistas

Fernanda Consorte

Economista-chefe

Economia para todos é o lema da Fernanda. Com ampla experiência no mercado financeiro, conhecimento técnico apurado e linguagem simples, a autora contribui para a tomada de decisão de clientes e empresas que necessitem desse suporte.

Veja mais

Cristiane Quartaroli

Economista

Economista formada pela USP, com mais de 15 anos de experiência nas área de Economia e Finanças, com foco em análise macroeconômica, resultando em amplo conhecimento do mercado bancário.

Veja mais

Welber Barral

Estrategista de Comex

Mestre em relações internacionais (USFC), Doutor em direito internacional (USP) e pós-doutor em Direito do comércio internacional (Georgetown University), Barral foi secretário de Comércio Exterior do Brasil de 2007 a 2011. Atualmente é, também, diretor no Departamento de Comércio exterior da FIESP e conselheiro da Câmara de Comércio Americana.

Veja mais