Especial

Nossa jangada vai sair pro mar...

Vamos concordar que tivemos inegáveis avanços do ponto de vista econômico para o país no último ano. Depois de discussões de mais de vinte anos, a reforma da previdência foi finalmente aprovada, trazendo melhores perspectivas para as contas públicas dos próximos anos – isso é fato. A inflação seguiu bem comportada e ancorada, propiciando um cenário favorável para a queda dos juros que, diga-se de passagem, está em um patamar inimaginável há bem pouco tempo. Os indicadores econômicos divulgados nos últimos meses apontam para uma recuperação, ainda que lenta e gradual, da atividade econômica. Isso é fundamental para que seja possível minimizar um dos maiores problemas da atualidade: a alta taxa de desemprego. Contudo o crescimento ainda está se arrastando. Mas por quê?

Voltando um pouco mais para trás, é inegável afirmar que houve algum crescimento e desenvolvimento nas primeiras décadas dos anos 2000. No entanto quando nos comparamos a outros países em situação semelhante, ou seja, estamos falando aqui dos demais emergentes, o crescimento brasileiro foi, muitas vezes, menor ou igual ao deles. Além disso, vale lembrar que, naquela época, o contexto externo era de bonança, o que ajudou a empurrar também os países emergentes para frente.

especialgrafico1

Agora, andando um pouquinho mais adiante, notem como o país cresceu muito e robustamente entre os anos de 2010 e 2014. Contudo tivemos uma grande redução no nosso nível de investimento em infraestrutura e esse talvez tenha sido o principal responsável pela grande crise que enfrentamos nos anos subsequentes e da qual estamos tentando sair agora. A falta de investimentos somada ao aumento da demanda interna e dos gastos públicos, nos levou a uma crise tão profunda, que ainda estamos tentando nos recuperar.

especialgrafico2

O mar é cheio de imprevistos e para a jangada seguir seu caminho é preciso cautela, cuidado e uso correto dos instrumentos. Assim, temos que olhar o ano de 2020 dentro do contexto que vivemos nos anos de 2014 e 2015. Em outras palavras, a recuperação é lenta, basicamente, porque a crise foi muito grande. Simples assim. Lembrem-se de que o PIB chegou a cair mais de 4% em um dos piores momentos da crise.

especialgrafico3

Então, caros leitores, vamos seguir devagar, como o navegar de uma jangada remando contra a maré. A perspectiva de melhora na política fiscal, em particular no que diz respeito à capacidade de manter a regra do teto dos gastos, é um dos principais desafios para que tenhamos um crescimento econômico mais consolidado nos próximos anos. Ou seja, o andamento das reformas (veja especial anterior –  Vamos falar sobre as reformas?) será fundamental para que o país possa voltar a crescer de forma consistente. Vamos trabalhar!

No items found.

Siga o Banco Ourinvest

Logo LinkedinLogo FacebookLogo InstagramLogo TwitterLogo YoutubeLogo Spotify

Conteúdos relacionados

21/9/21

Especial

E se? Cenários para a taxa de câmbio

Em períodos de crise, então, as incertezas e adversidades são tantas, que o trajeto fica ainda mais tortuoso. Quando se trata...

Leia mais

19/8/21

Especial

Raio-X crédito; foco em empresas

A penetração do mercado de crédito ainda é relativamente baixa no Brasil. O crédito em relação ao PIB é 52% enquanto em países da América...

Leia mais

Categorias

Nossa equipe de economistas

Fernanda Consorte

Economista-chefe

Economia para todos é o lema da Fernanda. Com ampla experiência no mercado financeiro, conhecimento técnico apurado e linguagem simples, a autora contribui para a tomada de decisão de clientes e empresas que necessitem desse suporte.

Veja mais

Cristiane Quartaroli

Economista

Economista formada pela USP, com mais de 15 anos de experiência nas área de Economia e Finanças, com foco em análise macroeconômica, resultando em amplo conhecimento do mercado bancário.

Veja mais

Welber Barral

Estrategista de Comex

Mestre em relações internacionais (USFC), Doutor em direito internacional (USP) e pós-doutor em Direito do comércio internacional (Georgetown University), Barral foi secretário de Comércio Exterior do Brasil de 2007 a 2011. Atualmente é, também, diretor no Departamento de Comércio exterior da FIESP e conselheiro da Câmara de Comércio Americana.

Veja mais