Blog

Dólar Comercial Ou Turismo: Entenda os tipos da moeda

Operações de remessa de valores, exportações e importações movimentam bilhões de dólares no Brasil todos os anos. Essas transações, que impactam diretamente na nossa balança comercial, têm em comum a dependência da taxa de câmbio e são fixadas com base no preço do dólar. Como lidamos com um mercado extremamente volátil, é fundamental buscar parceiros confiáveis para fazer transferências internacionais, ferramentas que garantam a proteção de câmbio, como o hedge, além de ferramentas como ACC e ACE, que ajudam os empresários nas operações de importação ou exportação.

Antes de mais nada, é importante entender que todos os dias as taxas de câmbio são livremente acertadas entre as partes contratantes, ou seja, entre os compradores e vendedores da moeda estrangeira e o agente autorizado pelo Banco Central a operar no mercado de câmbio. Ou seja, com base nos acontecimentos do dia -- como publicação de indicadores econômicos, inflação, leis, acontecimentos políticos e cenários externos, por exemplo -- há uma percepção do mercado e a taxa oscila para cima ou para baixo.

Além de compreender de forma básica como se forma a cotação da moeda americana, a mais negociada no Brasil, é importante saber que o dólar é comercializado no Brasil de diferentes formas. O que define sua cotação é o destino final da moeda, ou seja, a natureza da operação. Por isso, preparamos  um guia básico para você entender os conceitos do papel mais influente do mundo. Confira a seguir:

Dólar comercial - Essa formatação da moeda é usada para mensurar as transações de importações, exportações e transferências internacionais. Nessa modalidade do dólar, os agentes de mercado balizam grandes movimentações, de quantias altas entre empresas. Além disso, o dólar comercial também é usado para medir as ações do Governo Federal registradas no Banco Central. Empréstimos de brasileiros residentes no exterior, por exemplo, são contabilizados nessa moeda.

Segundo Cristiane Quartaroli, economista e estrategista de câmbio do Banco Ourinvest, apesar de a taxa de câmbio ser formada pelos agentes de mercado, o Banco Central pode realizar intervenções para controlar a cotação da moeda. São medidas usuais para tentar ordenar as entradas e saída de moeda do país e proteger a balança comercial e apetite por investimento, por exemplo.

Dólar Turismo - É comum verificar que essa taxa é mais alta do que o dólar comercial. Isso porque o dólar turismo é destinado para pessoas que querem comprar a moeda para viajar, ou fazer turismo, como o próprio nome já diz. Trata-se da moeda física (ou em cartões) negociada nas casas de câmbio e com correspondentes cambiais.

O valor do dólar turismo é mais alto porque nele está embutido o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) e os custos da moeda física. “Cada agente pode definir seu preço com base em custos como logística, segurança e manutenção de cofres, por exemplo”, explica a economista.

Dólar ptax - é um índice calculado diariamente pelo Banco Central com base na média das taxas de compra e venda praticadas pelos bancos brasileiros. Ou seja, existem várias pessoas e empresas comprando e vendendo dólar ao longo do dia no Brasil. A Ptax é uma média dessas operações. Costuma ser uma taxa de referência.

Ficou interessado em saber mais ou com dúvidas de como o dólar pode impactar o seu negócio, fale com a gente!

Siga o Banco Ourinvest

Logo LinkedinLogo FacebookLogo InstagramLogo TwitterLogo YoutubeLogo Spotify

Conteúdos relacionados

15/9/21

Blog

5 coisas que você deve saber sobre o IBAN

Ao tentar realizar transações internacionais é natural que você se depare com inúmeras siglas, que podem dar a impressão equivocada de qu...

Leia mais

9/9/21

Blog

7 podcasts sobre economia e negócios que você não pode perder

Mais de 35 milhões de brasileiros já são adeptos aos podcasts, segundo uma estimativa recente da Associação Brasileira de Podcasters...

Leia mais

Categorias

Nossa equipe de economistas

Fernanda Consorte

Economista-chefe

Economia para todos é o lema da Fernanda. Com ampla experiência no mercado financeiro, conhecimento técnico apurado e linguagem simples, a autora contribui para a tomada de decisão de clientes e empresas que necessitem desse suporte.

Veja mais

Cristiane Quartaroli

Economista

Economista formada pela USP, com mais de 15 anos de experiência nas área de Economia e Finanças, com foco em análise macroeconômica, resultando em amplo conhecimento do mercado bancário.

Veja mais

Welber Barral

Estrategista de Comex

Mestre em relações internacionais (USFC), Doutor em direito internacional (USP) e pós-doutor em Direito do comércio internacional (Georgetown University), Barral foi secretário de Comércio Exterior do Brasil de 2007 a 2011. Atualmente é, também, diretor no Departamento de Comércio exterior da FIESP e conselheiro da Câmara de Comércio Americana.

Veja mais