Blog

Como receber heranças e doações do exterior

Os processos de recebimento de heranças e doações vindas do exterior podem ser trabalhosos e, muitas vezes, demorados. Por isso, o Banco Ourinvest, que tem especialistas em operações de câmbio e serviços internacionais, reuniu um passo a passo inicial para ajudar quem precisa de um desses serviços.

Com mais de 40 anos de atuação no mercado, o banco conta com uma plataforma completa para auxiliar escritórios de advocacia e pessoas físicas com agilidade, segurança, atendimento exclusivo e apoio dos melhores especialistas do mercado.

Confira a seguir os principais pontos que devem ser observados para recebimento de heranças e doações do exterior.

1 - Legislação e tributação

Em março de 2021, o Supremo Tribunal Federal (STF) pacificou o conflito entre contribuintes e estados, determinando que o Distrito Federal e os estados não possuem competência legislativa para instituir a cobrança do Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCMD) nas hipóteses de doações e heranças instituídas no exterior e que a cobrança é condicionada à edição de lei complementar nacional.

Na prática, a decisão gera uma economia aos herdeiros brasileiros, domiciliados no Brasil, que deixarão de pagar o ITCMD.

Apesar da tributação sobre heranças no Brasil ser bastante reduzida frente a outros países -- nos EUA o imposto pode chegar a 45%, por exemplo -- essa decisão do STF pode ser encarada de forma positiva por trazer uma pacificação.

De acordo com especialistas, a não tributação sobre heranças instituídas no exterior a residentes no Brasil pode ser vista como uma oportunidade de planejamento familiar e sucessório e ratifica ainda mais a necessidade de investidores brasileiros considerarem a internacionalização do patrimônio como uma medida de proteção ao legado financeiro.

Segundo Ricardo Russo, superintendente de Câmbio do Banco Ourinvest, apesar de ser vista como importante, a questão da legislação não ameniza as necessidades básicas de comprovação da origem das transações.

Trata-se de um passo a menos. No momento de realizar as operações internacionais, o Banco Ourinvest, por lidar com o câmbio, precisava identificar o pagamento do imposto estadual de transmissão, que variava de 4% a 8%.

“Depois da decisão do STF, nós criamos uma declaração de assunção de doação, onde o donatário assume a responsabilidade do cumprimento da norma. Não exigimos mais a prova do recolhimento do imposto para dar andamento à transação”, explica o executivo.

2 - Passo a passo

Russo lista as etapas básicas para receber valores do exterior. O primeiro passo, ao se descobrir que é donatário, é comprovar a relação de vínculo com o doador. Por exemplo, que se trata da mãe, do tio ou de algum(a) companheiro(a). "É a hora de coletar documentos que demonstrem que a doação é formal e que a origem do recurso é lícita”, diz Russo.

Segundo o especialista, essa costuma ser a fase mais sensível, por requerer documentos e comprovações.

“No Banco Ourinvest temos a facilidade de orientar na composição desse ‘dossiê’ desde o começo. Temos pessoas no time que tratam diretamente disso e podem ajudar no trâmite, uma vez que sabem das peculiaridades de vários países. É uma facilidade para a mitigação da burocracia”, diz.

Depois da fase inicial de agrupamento de documentos, o segundo passo é fazer um cadastro para recebimento do valor no Brasil e assinar a declaração que contempla a questão do STF.

“Nessa hora começa, de fato, a questão cambial onde temos a maior expertise. Podemos ajudar, por exemplo, a encontrar o melhor momento para fazer a transferência e garantir uma melhor cotação para aumentar ganhos”, diz Russo.

Ele explica que alguns clientes optam por realizar hedge cambial em casos de heranças e doações. Como a fase de união dos documentos pode levar algum tempo, algumas pessoas fazem a “trava do câmbio” em patamares considerados mais vantajosos para garantir recebimentos maiores quando a burocracia é concluída.

“O cliente pode usar o hedge em operação de NDF ou câmbio futuro. Com isso, é possível travar o câmbio por até 360 dias e ter previsibilidade de quanto irá receber ao fim do processo”, explica Russo.

O especialista afirma que não há limite de valor para esse tipo de transferência, mas alerta para a necessidade de comprovação de capacidade financeira. “Temos uma equipe que acompanha todo o processo de recebimento de heranças e doações internacionais e que facilita esse tipo de transação”, diz o executivo.

Quer saber mais sobre esses serviços? Entre em contato com o banco por e-mail plataforma.adv@ourinvest.com.br ou telefone (11) 4081-4458 e receba um atendimento personalizado.

No items found.

Siga o Banco Ourinvest

Logo LinkedinLogo FacebookLogo InstagramLogo TwitterLogo YoutubeLogo Spotify

Conteúdos relacionados

15/9/21

Blog

5 coisas que você deve saber sobre o IBAN

Ao tentar realizar transações internacionais é natural que você se depare com inúmeras siglas, que podem dar a impressão equivocada de qu...

Leia mais

9/9/21

Blog

7 podcasts sobre economia e negócios que você não pode perder

Mais de 35 milhões de brasileiros já são adeptos aos podcasts, segundo uma estimativa recente da Associação Brasileira de Podcasters...

Leia mais

Categorias

Nossa equipe de economistas

Fernanda Consorte

Economista-chefe

Economia para todos é o lema da Fernanda. Com ampla experiência no mercado financeiro, conhecimento técnico apurado e linguagem simples, a autora contribui para a tomada de decisão de clientes e empresas que necessitem desse suporte.

Veja mais

Cristiane Quartaroli

Economista

Economista formada pela USP, com mais de 15 anos de experiência nas área de Economia e Finanças, com foco em análise macroeconômica, resultando em amplo conhecimento do mercado bancário.

Veja mais

Welber Barral

Estrategista de Comex

Mestre em relações internacionais (USFC), Doutor em direito internacional (USP) e pós-doutor em Direito do comércio internacional (Georgetown University), Barral foi secretário de Comércio Exterior do Brasil de 2007 a 2011. Atualmente é, também, diretor no Departamento de Comércio exterior da FIESP e conselheiro da Câmara de Comércio Americana.

Veja mais