Blog

Como as queimadas podem impactar as exportações e o mercado financeiro

A gestão ambiental do Brasil está em pauta no cenário global. O País é a segunda maior área de floresta do mundo, atrás apenas da Rússia, e o recente aumento de queimadas preocupa ambientalistas e também investidores e exportadores.

Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), as queimadas na região do Pantanal brasileiro aumentaram 210% entre janeiro e setembro de 2020, quando comparadas ao mesmo período do ano de 2019. Apenas este ano, foram registrados cerca de 15 mil focos de incêndio no local.

O ambiente político instável, atrelado ao mau momento da economia por conta da pandemia, ganha ainda mais um agravante com os efeitos reputacionais gerados pela demora em implantar ações para cessar o fogo.

As recentes declarações do presidente Jair Bolsonaro sobre a culpa de indígenas, imprensa e ONGs por queimadas soaram mal no mercado financeiro e revelaram uma dificuldade do governo de administrara questão.

Segundo Welber Barral, estrategista de Comércio Exterior do Banco Ourinvest, enquanto o impasse não se resolve, há um grande impacto de reputação para o Brasil. “Somos reconhecidos exportadores de alimentos e commodities minerais, e começa a ficar arranhada a imagem vantajoso destino de investimentos” , diz.

Práticas ambientais, sociais e de governança

Cada vez mais as empresas apostam na sigla ESG (Environmental, Social and Governance), as melhores práticas ambientais, sociais e de governança. A tendência é que mais companhias e investidores queiram estar próximos dos ativos “lastreados” nessa sigla, porque serão sinônimos de negócios sólidos e sustentáveis do ponto de vista ambiental, social e econômico.

“Isso pode até mesmo impactar as exportações brasileiras, dependendo do destino e do setor de atuação. Alguns importadores podem não querer mais se associar à imagem do Brasil em razão de políticas de sustentabilidade”, diz Barral.

A iniciativa privada já começa a observar algumas retaliações. A rede Costco, do Reino Unido, já anunciou a redução de produtos de origem brasileira por conta da má gestão ambiental. O temor é que essas iniciativas se alastrem para outros governos e que sejam usadas como diretrizes no médio prazo. “Podemos viver uma onda de protecionismo motivada por questões ambientais”, avalia Barral.

Outro ponto de alerta é a percepção dos investidores estrangeiros. Os saques líquidos de 2020 já somam R$ 85,3bilhões até agosto, bem mais do que o realizado em todo o ano de 2019, que fechou com saídas de R$ 44,5 bilhões.

A reputação delicada na gerência da crise ambiental pode ser mais um fator de saída de capital. “Além disso, os fundos de investimento, inclusive em razão de seus regulamentos e decisões de conselho, são obrigados a adotar medidas relacionadas à sustentabilidade e governança”, recorda Barral.

Além disso, os acordos comerciais também mudam de marcha. Afinal, os países em negociação dificilmente vão querer estreitar relações em um momento como o atual.

O lado do agronegócio

O agronegócio brasileiro, normalmente relacionado às queimadas, tenta se desvincular dessa imagem. Em recente campanha, a Sociedade Rural Brasileira (SRB) começou uma cruzada para mostrar os bens feitos do setor e ressalta dados como o crescimento de 300% da produção de grãos no Brasil entre 1997 e 2020, e um avanço bem menor da área plantada no mesmo período, de 60%.

A ideia é reforçar o aumento da produtividade do setor, além do maior uso de tecnologia nas fazendas e de uma contribuição para preservação.

A SRB pede que haja uma “visão mais holística” sobre os desafios recentes e ressalta um estudo da Embrapa Territorial, que indica que 84,1% das florestas da Amazônia permanecem intactas. Segundo o documento, somente 12,8% das áreas são destinadas as lavouras e pastagens.

Enquanto o agronegócio tenta se desvincular dos problemas ambientais, a reputação do Brasil segue em evidência e ainda promete vários próximos capítulos para os investidores e exportadores.

No items found.

Siga o Banco Ourinvest

Logo LinkedinLogo FacebookLogo InstagramLogo TwitterLogo YoutubeLogo Spotify

Conteúdos relacionados

15/9/21

Blog

5 coisas que você deve saber sobre o IBAN

Ao tentar realizar transações internacionais é natural que você se depare com inúmeras siglas, que podem dar a impressão equivocada de qu...

Leia mais

9/9/21

Blog

7 podcasts sobre economia e negócios que você não pode perder

Mais de 35 milhões de brasileiros já são adeptos aos podcasts, segundo uma estimativa recente da Associação Brasileira de Podcasters...

Leia mais

Categorias

Nossa equipe de economistas

Fernanda Consorte

Economista-chefe

Economia para todos é o lema da Fernanda. Com ampla experiência no mercado financeiro, conhecimento técnico apurado e linguagem simples, a autora contribui para a tomada de decisão de clientes e empresas que necessitem desse suporte.

Veja mais

Cristiane Quartaroli

Economista

Economista formada pela USP, com mais de 15 anos de experiência nas área de Economia e Finanças, com foco em análise macroeconômica, resultando em amplo conhecimento do mercado bancário.

Veja mais

Welber Barral

Estrategista de Comex

Mestre em relações internacionais (USFC), Doutor em direito internacional (USP) e pós-doutor em Direito do comércio internacional (Georgetown University), Barral foi secretário de Comércio Exterior do Brasil de 2007 a 2011. Atualmente é, também, diretor no Departamento de Comércio exterior da FIESP e conselheiro da Câmara de Comércio Americana.

Veja mais