Blog

8 perguntas comuns sobre remessas internacionais

Seja para mandar dinheiro para o filho que mora no exterior, comprar um imóvel fora do país ou mesmo realizar importação de produtos, as remessas internacionais são parte da rotina de quem precisa fazer transações financeiras em outras moedas.

Pode parecer um assunto complicado, mas com ajuda de especialistas e instituições financeiras credenciadas pelo Banco Central é fácil receber e mandar dinheiro para outros países.

Para facilitar esse processo, o Blog Ourinvest ouviu Raphael Coracini, especialista em transações internacionais e um dos responsáveis pela Trade Desk no Banco Ourinvest, que respondeu as perguntas mais frequentes sobre o tema. Confira a seguir:

1. O que é remessa internacional e para que serve?

Remessa internacional é o nome de todo envio ou recebimento de recursos em moeda estrangeira. As transações servem para cumprir toda obrigação financeira fora do Brasil e podem ser realizadas em qualquer moeda para todos os destinos internacionais.

2. Quem pode fazer remessas internacionais?

Pessoas físicas e empresas podem realizar as operações. Por exemplo, uma pessoa física que comprou um imóvel nos Estados Unidos e precisa fazer o pagamento em dólar, alguém que precisa enviar dinheiro para o filho que mora fora do país, ou um cliente que quer investir em ações lá fora.

O caminho inverso também é verdadeiro e os brasileiros podem receber recursos do exterior em vários casos, como herança, dividendos ou prestação de serviço em empresas com sedes em outros países.

Além disso, as empresas exportadoras e importadoras também usam remessas internacionais de forma recorrente para comprar matéria-prima e produtos fora do país ou receber pelos serviços e itens comercializados além das fronteiras brasileiras.

3. O que é preciso para realizar uma remessa internacional?

É necessário ter uma conta em um banco habilitado a operar com câmbio e apresentar documentação comprobatória para a operação de envio. Por exemplo, o contrato de compra e venda de um imóvel ou a nota fiscal de um serviço prestado.

Além disso, por questões de compliance é necessário mostrar capacidade financeira para fazer a remessa internacional e comprovar a origem do dinheiro. Isso também vale para os casos de recebimentos de recursos.

4. Há custos para fazer remessas internacionais?

Não há custos. O que pode fazer os valores oscilarem é o valor do câmbio da moeda em questão no momento do fechamento da operação.

5. Há limites ou valores mínimos para fazer remessas internacionais?

Não há valores mínimos ou máximos, mas a comprovação de capacidade financeira é exigida. Quem precisa enviar ou receber pequenos valores pode optar pela conta simplificada do Banco Ourinvest, onde todo o processo é realizado de forma rápida e on-line.

6. Quais são as naturezas de envio mais comuns?

No Banco Ourinvest, a maior parte das remessas internacionais para pessoas físicas é feita sob a natureza de disponibilidade, quando os valores são transferidos para contas com a mesma titularidade. A natureza de envio para manutenção de estudantes no exterior também é bastante comum.

No caso das empresas, as operações de comércio exterior respondem por cerca de 60% das transações, seguidas por remessas de dividendos, quando empresas sediadas no país enviam lucro para as matrizes fora do Brasil.

7. Quais são os destinos mais frequentes de remessas internacionais feitas por brasileiros?

A China é o destino campeão e cerca de 90% das operações feitas pelas empresas têm como destino o país asiático, que é grande fonte de matéria-prima e produtos para abastecer o mercado nacional. Em contrapartida, países como Estados Unidos e os territórios que compõem a União Europeia são os destinos mais tradicionais entre os clientes pessoa física.

8. Quais os diferenciais do Banco Ourinvest?

Há mais de quatro décadas atuando exclusivamente no mercado de câmbio, o Banco Ourinvest é especialista no assunto e possui algumas vantagens para quem precisa enviar ou receber dinheiro do exterior.

Uma delas é a agilidade no processo. O banco consegue realizar operações internacionais em poucas horas e possui a vantagem de ter um horário estendido para isso entre 9h e 18h. Geralmente, os outros bancos operam entre 10h e 16h.

Por conta do horário ampliado, o Banco Ourinvest é capaz de receber um pedido de remessa às 17h30  e fazer o montante chegar ao local solicitado no mesmo dia, caso ainda haja expediente bancário no destino.

Além disso, com uma mesa de especialistas à disposição dos clientes, há possibilidade de encontrar as melhores taxas de câmbio para quem possui flexibilidade de prazo. Por exemplo, é possível pedir que analistas monitorem a moeda desejada e avisem o período mais vantajoso para realizar a operação.

Para realizar uma remessa internacional com apoio dos especialistas do Banco Ourinvest clique aqui.

No items found.

Siga o Banco Ourinvest

Logo LinkedinLogo FacebookLogo InstagramLogo TwitterLogo YoutubeLogo Spotify

Conteúdos relacionados

24/11/21

Blog

Quer viajar? Confira os países abertos e dicas para o melhor câmbio

Se você está pensando em retomar as viagens ao exterior vai gostar de saber que já há mais de 100 países com as fronteiras abertas para...

Leia mais

29/10/21

Blog

Lavagem de dinheiro: como combater essa prática?

Anualmente cerca de 2% a 5% do PIB mundial, algo entre US$ 800 bilhões e US$ 2 trilhões, são fruto de lavagem de dinheiro, de acordo com...

Leia mais

Categorias

Nossa equipe de economistas

Fernanda Consorte

Economista-chefe

Economia para todos é o lema da Fernanda. Com ampla experiência no mercado financeiro, conhecimento técnico apurado e linguagem simples, a autora contribui para a tomada de decisão de clientes e empresas que necessitem desse suporte.

Veja mais

Cristiane Quartaroli

Economista

Economista formada pela USP, com mais de 15 anos de experiência nas área de Economia e Finanças, com foco em análise macroeconômica, resultando em amplo conhecimento do mercado bancário.

Veja mais

Welber Barral

Estrategista de Comex

Mestre em relações internacionais (USFC), Doutor em direito internacional (USP) e pós-doutor em Direito do comércio internacional (Georgetown University), Barral foi secretário de Comércio Exterior do Brasil de 2007 a 2011. Atualmente é, também, diretor no Departamento de Comércio exterior da FIESP e conselheiro da Câmara de Comércio Americana.

Veja mais