Blog

5 coisas que você deve saber sobre o IBAN

Ao tentar realizar transações internacionais é natural que você se depare com inúmeras siglas, que podem dar a impressão equivocada de que o processo é mais complicado do que a realidade. Por isso, o Banco Ourinvest te ajuda a compreender o significado de uma das siglas mais usadas: o IBAN.

Luiz Carneiro, da área de Negócios Digitais do Banco Ourinvest, é especialista no assunto e relata um aumento no volume de transações internacionais nos últimos meses, motivada também pela forte oscilação do dólar. “A demanda por câmbio cresceu bastante no Banco Ourinvest em todos os segmentos, desde câmbio para comércio exterior até remessas entre pessoas físicas”, diz.

Apesar de estar mais presente no cotidiano de empresas e pessoas, ele explica que ainda há muitas dúvidas acerca do tema e ajuda a responder 5 perguntas sobre o IBAN. Confira a seguir:

1- O que é o IBAN?

O IBAN (International Bank Account Number) nada mais é do que um código padrão composto por até 34 caracteres (letras e números) para a identificação de contas bancárias internacionais. Trata-se da identidade internacional de pessoas físicas e empresas que desejam movimentar valores no exterior.

O IBAN é regido pela norma ISO 13616 e é registrado junto à SWIFT (Society for Worldwide International Financial Telecommunication). Ele é usado no mundo todo para realizar as transações. No Brasil, é regulamentado pelo Banco Central.

As instituições financeiras fornecem o IBAN para que os clientes possam receber ordens de pagamento em moeda estrangeira e realizarem o câmbio, recebendo o recurso aqui no Brasil em moeda nacional.

2- Qual a diferença entre IBAN e SWIFT?

As duas siglas costumam aparecer juntas quando é hora de realizar uma transação internacional. Na prática, o código SWIFT identifica um banco específico, enquanto o IBAN identifica uma conta bancária.

IBAN: é o formato internacional para identificar uma conta bancária. Ele tem um padrão específico que permite identificar o país, a agência e a conta. O IBAN é único para cada conta.

SWIFT: é o código que identifica o banco onde você tem conta, composto por 8 a 11 caracteres. Por exemplo, o código SWIFT do Banco Ourinvest é OURIBRSP.

3- Para que serve o IBAN na prática?

O IBAN serve para você ou sua empresa enviar e receber ordens de pagamento internacionais. Junto com o código SWIFT, que identifica o banco onde você tem conta e onde seu IBAN foi gerado, eles formam o canal bancário.

Da mesma maneira que você usa os dados de banco, agência e conta para realizar uma TED aqui no Brasil, você usa o canal bancário do beneficiário para enviar uma remessa ao exterior ou envia seu canal bancário para receber um pagamento. Ou seja, o canal bancário é a instrução que você envia ou recebe durante uma transferência internacional.

Em alguns casos, também é necessário adicionar a informação de banco intermediário ao canal bancário. Isso ocorre dependendo dos trâmites da transferência a ser feita e você será informado pelo seu banco da necessidade de incluir a informação.

4- Como fazer para criar um IBAN?

Para criar um IBAN é muito simples. Basta entrar em contato com seu banco e pedir o código. Em alguns casos, o processo pode ser realizado pelo internet banking.

No Banco Ourinvest, que é especialista em câmbio há mais de quatro décadas, a criação do IBAN é feita de forma ágil e segura. É possível solicitar o IBAN e realizar transferências internacionais com segurança em qualquer porte de transação. Além disso, o banco ajuda a garantir as melhores taxas nas transações e trabalha com mecanismos de proteção do patrimônio, como o hedge cambial.

5-  Quais são os novos produtos que usam IBAN para dar agilidade às transferências?

Um excelente exemplo é o Google Adsense. Donos de sites, produtores de conteúdo e blogueiros, podem vender espaço para anúncios do Google Adsense. Todos os pagamentos realizados pelo Google são feitos em dólar e os dados (canal bancário) para o recebimento da remuneração são configurados na conta do Google Adsense do produtor de conteúdo.

Ou seja, basta cadastrar o código SWIFT e o IBAN (e o banco intermediário quando necessário) que o Google vai enviar as ordens de pagamento para a conta cadastrada. Depois de receber a ordem, o cliente precisa fechar o câmbio com a instituição financeira para então receber o valor em reais aqui no Brasil.

No Banco Ourinvest há um produto específico que facilita muito esse processo. A instituição tem uma frente específica para atender esses profissionais e cuida do processo inteiro, desde a abertura de conta, criação do IBAN, negociação das melhores taxas e pagamento em reais.

No items found.

Siga o Banco Ourinvest

Logo LinkedinLogo FacebookLogo InstagramLogo TwitterLogo YoutubeLogo Spotify

Conteúdos relacionados

22/9/21

Blog

Fim da pandemia e hedge cambial: qual a relação entre as duas frentes?

Ao que tudo indica, a pandemia do coronavírus caminha para um controle sanitário no Brasil. Ainda que as medidas de proteção sejam essenc...

Leia mais

9/9/21

Blog

7 podcasts sobre economia e negócios que você não pode perder

Mais de 35 milhões de brasileiros já são adeptos aos podcasts, segundo uma estimativa recente da Associação Brasileira de Podcasters...

Leia mais

Categorias

Nossa equipe de economistas

Fernanda Consorte

Economista-chefe

Economia para todos é o lema da Fernanda. Com ampla experiência no mercado financeiro, conhecimento técnico apurado e linguagem simples, a autora contribui para a tomada de decisão de clientes e empresas que necessitem desse suporte.

Veja mais

Cristiane Quartaroli

Economista

Economista formada pela USP, com mais de 15 anos de experiência nas área de Economia e Finanças, com foco em análise macroeconômica, resultando em amplo conhecimento do mercado bancário.

Veja mais

Welber Barral

Estrategista de Comex

Mestre em relações internacionais (USFC), Doutor em direito internacional (USP) e pós-doutor em Direito do comércio internacional (Georgetown University), Barral foi secretário de Comércio Exterior do Brasil de 2007 a 2011. Atualmente é, também, diretor no Departamento de Comércio exterior da FIESP e conselheiro da Câmara de Comércio Americana.

Veja mais