Blog

28 curiosidades sobre o Plano Real e o que vem por aí

No mês de julho, o Plano Real completa 28 anos de existência. A moeda brasileira faz parte de um conjunto de reformas econômicas implementadas no Brasil, em 1994, no governo de Itamar Franco. Quase três décadas depois, o Real figura como uma das moedas que mais se valorizou em 2022.

Nos próximos meses, o Real deve ser protagonista da disputa pelas eleições presidenciais, já que a moeda rege a economia e é critério de comparação de importantes índices, como o salário mínimo e o câmbio.

Para falar sobre isso e sobre como a moeda deve se comportar em ano eleitoral, o Banco Ourinvest realizará um webinar exclusivo no dia 28 de julho, às 11h. O evento será mediado pela economista-chefe do banco, Fernanda Consorte, e apresentado pelo consultor de comércio exterior Welber Barral. O webinar contará ainda com a participação especial do consultor político, Rogério Schmitt. Para participar acesse este link.

Enquanto isso, o Banco Ourinvest preparou uma lista com 28 curiosidades sobre a moeda em circulação no Brasil com o objetivo de demonstrar a importância do dinheiro brasileiro. Confira a seguir.

 

1- A entrada em circulação do Real aconteceu em 1º de julho de 1994 mudou o cenário de uma inflação que, no acumulado em doze meses, chegou a 4.922% em junho de 1994, às vésperas do lançamento da nova moeda.
2- Antes de ser implementado, na época das maquininhas de remarcar, os preços chegavam a subir três mil por cento ao ano no Brasil. O Plano Real conseguiu reduzir a inflação a níveis aceitáveis.
3- O Plano Real foi formatado no governo de Itamar Franco, pelo então ministro da Fazenda Fernando Henrique Cardoso, e levou cerca de um ano para ser desenhado.
4- A execução do Plano Real exigiu esforços de planejamento e inovação significativos por parte dos gestores da política econômica. No segundo semestre de 1993, equipes do Ministério da Fazenda, Banco Central e Casa da Moeda trabalharam juntos no desenvolvimento do Plano, dividido em três fases.
5- A primeira fase do Plano Real foi marcada pelo esforço de ajuste fiscal, com destaque para a criação do Fundo Social de Emergência (FSE), concebido para aumentar a arrecadação tributária e a flexibilidade da gestão orçamentária em 1994/1995.
6- A segunda etapa foi marcada pela utilização de uma moeda escritural, a Unidade Real de Valor (URV), como unidade de conta.
7- A Unidade Real de Valor foi a 'quase' moeda utilizada exclusivamente como padrão de valor monetário (unidade de conta). A URV foi utilizada por quatro meses até o início da vigência do Real. A primeira cotação da URV era de CR$647,50.
8- Na última fase, a introdução do novo padrão monetário, o Real, implicou a necessidade de rápida e abrangente disponibilização do novo meio circulante a partir de 1º julho de 1994.
9- Em abril de 1994, a Casa da Moeda e o Banco Central começaram a acelerar a substituição integral do meio circulante. Até 30 de junho daquele ano, mais de 940 milhões cédulas e mais de 688 milhões moedas já tinham sido distribuídas em todo o país.
10- Em operação inédita, o BC coordenou simultaneamente o fornecimento físico do Real, o acolhimento de depósitos à vista feitos na nova unidade monetária e o recolhimento de numerário em cruzeiros reais (que circularam até setembro de 1994).
11- O Plano Real foi o 13º plano econômico executado desde 1979, quando se iniciou a crise que levou à hiperinflação.
12- Antes do real, o Brasil teve outras oito moedas: réis, cruzeiro, cruzeiro novo, cruzeiro (novamente), cruzado, cruzado novo, cruzeiro (pela terceira vez) e cruzeiro real.
13- Os primeiros garotos-propaganda do Real foram um frango e um pãozinho francês. Isso porque, em 1994, dava para comprar1 kg de frango ou 10 pães franceses com uma nota de 1 real. Com a campanha, o consumo anual de frango cresceu de 14 para 40 kg por pessoa.
14- O preço médio de produção das cédulas varia de acordo com o valor. As notas de R$ 2 e R$ 5 custam R$ 0,22 para serem impressas, já as irmãs mais valiosas, como as notas de R$ 100 e R$ 50, custam cerca de R$ 0,07.
15- Todas as cédulas do Real apresentam a efígie de uma escultura que representa o conceito de República, exceto a nota de 10 reais lançada em 2000, em comemoração aos 500 anos do Descobrimento do Brasil, que tem a efígie de Pedro Álvares Cabral.
16- Cada cédula de Real possui um animal da fauna local impresso no verso. A exceção, novamente, é a cédula comemorativa de10 reais, que mostra em seu verso o mapa do Brasil.
17- Quando o Plano Real foi lançado, todas as moedas tinham o mesmo estilo. Elas eram diferenciadas pelas gravações e pelo diâmetro. Com o tempo, isso foi mudando: hoje, cada uma das moedas tem uma aparência bem característica para facilitar a identificação.
18- Pela semelhança de cor entre as duas notas, a falsificação mais comum da moeda brasileira era a transformação da nota de 1 real na nota de 100 reais. Para evitar o crime, o Banco Central teve de trocara marca d’água das notas de 1 real.
19- As notas de 1 real deixaram de ser produzidas em 2005 por conta do seu custo elevado na produção e ao rápido desgaste, já que tinham muita rotatividade. Por isso, o Banco Central optou pelas moedas de 1 real.
20- Em 2010, foram lançadas novas cédulas do Real. Cada valor tem um tamanho diferente, o que facilita o uso do dinheiro pelos deficientes visuais.
21- A cédula de duzentos reais é a de maior valor nominal do padrão Real, lançada no dia 2 de setembro de 2020. O animal símbolo é o lobo-guará.
22- O Banco Ourinvest foi fundado muito antes da implementação do Plano Real e participou de toda a transição monetária e das questões cambiais, se consolidando como referência em câmbio há mais de quatro décadas.
23- Durante os 28 anos de vida do Real, a maior cotação do dólar foi em setembro de 2002, quando chegou a R$7,91.
24- Já a menor cotação do dólar foi verificada apenas quatro meses após o lançamento do Plano Real, em 14 de outubro de 1994. Neste dia histórico, a moeda norte-americana foi negociada a R$0,82.
25- Fernanda Consorte, economista-chefe do Banco Ourinvest, afirma que o poder do real será testado após as eleições. “Depois da eleição, o investidor estrangeiro vai olhar se o Brasil tem uma história boa para contar e isso será definitivo para a entrada de capital e crescimento do país, ou não”, explica a economista-chefe.
26- Para os próximos anos de Plano Real, “o novo governante terá a herança das últimas decisões, que incluem o volume do teto de gastos, os ajustes represados de combustível e eletricidade, a elevação de salários de funcionários públicos e a pressão por gastos sociais. Há muitos desafios para o real”, afirma Welber Barral, consultor de comércio exterior do Banco Ourinvest.
27- O real é a quarta moeda que mais se valorizou em relação ao dólar em 2022. Um levantamento feito pela Austin Rating mostra que a moeda brasileira subiu 10,1% em comparação com a divisa dos Estados Unidos. Antes do Brasil aparecem o rublo, moeda russa, afegane, moeda do Afeganistão, e a moeda de Angola, o kwanza, respectivamente.
28- Segundo a calculadora de inflação do Banco Central, para ter o poder de compra de R$ 1 em 1994 você precisaria hoje de R$6,70. Um aumento de 569,5% em 28 anos. Fazendo a conta ao contrário, aqueles R$1 de julho de 1994 equivaleriam a cerca de R$ 0,15 atualmente.

 

Siga o Banco Ourinvest

Logo LinkedinLogo FacebookLogo InstagramLogo TwitterLogo YoutubeLogo Spotify

Gostou? Fale com um de nossos especialistas e tire suas dúvidas.

Obrigado! Entraremos em contato com você.
Ooops! Alguma coisa deu errado. Tente novamente!

Conteúdos relacionados

27/7/22

Blog

6 vezes que a política afetou em cheio a economia do Brasil

Troca de comando de estatais, intervenção nos valores de insumos e combustíveis, protocolos para enfrentar a pandemia, criação ou...

Leia mais

4/7/22

Blog

Independência dos Estados Unidos: 5 pontos sobre a maior economia global

O Dia da Independência dos Estados Unidos, comemorado em 4 julho, leva milhões de americanos às ruas para celebrar a data em que as treze...

Leia mais

Categorias

Nossa equipe de economistas

Fernanda Consorte

Economista-chefe

Economia para todos é o lema da Fernanda. Com ampla experiência no mercado financeiro, conhecimento técnico apurado e linguagem simples, a autora contribui para a tomada de decisão de clientes e empresas que necessitem desse suporte.

Veja mais

Cristiane Quartaroli

Economista

Economista formada pela USP, com mais de 15 anos de experiência nas área de Economia e Finanças, com foco em análise macroeconômica, resultando em amplo conhecimento do mercado bancário.

Veja mais

Welber Barral

Estrategista de Comex

Mestre em relações internacionais (USFC), Doutor em direito internacional (USP) e pós-doutor em Direito do comércio internacional (Georgetown University), Barral foi secretário de Comércio Exterior do Brasil de 2007 a 2011. Atualmente é, também, diretor no Departamento de Comércio exterior da FIESP e conselheiro da Câmara de Comércio Americana.

Veja mais